user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

Bananas e anti-racismo: para além da ironia

category brazil/guyana/suriname/fguiana | migração / racismo | opinião / análise author Friday May 02, 2014 06:17author by BrunoL - 1 of Anarkismo Editorial Groupauthor email blimarocha at gmail dot com Report this post to the editors

O lateral direito do Barcelona e da seleção brasileira, Daniel Alves, protagonizou um episódio onde a ironia e a reação espontânea deu margem para o debate anti-racista em escala mundial. No domingo 27 de abril de 2014, o mundo inteiro o viu comer uma banana atirada para este jogador baiano por um torcedor do clube espanhol (valenciano) Villareal, adversário do time catalão. Daniel comeu a banana e continuou jogando. Usou de ironia para combater a atitude preconceituosa, recebendo aplausos e adeptos em todo o país.
barcelona_daniel_alves_banana_racismo_560_21.jpg

Seu colega de time, o também craque e jogador da seleção, o ex-santista Neymar, lançou campanha pelo twitter e imediatamente mobilizou de celebridades midiáticas a milhões de anônimos. De pronto a presidenta do Brasil, a ex-guerrilheira Dilma Rousseff, seguiu os passos via microblog. Em paralelo, a comoção que já abalava globais pelo assassinato de DG (Douglas Rafael da Silva Pereira), dançarino do Programa Esquenta (baluarte da miscigenação positiva e do elogio da mestiçagem apolítica), engajou o elenco da emissora líder na causa do fim do preconceito racial.

Por mais que sempre seja louvável qualquer iniciativa neste sentido, é preciso qualificar o debate e, ao menos, tentar atravessar uma agenda mais política e menos emotiva. O lema “Somos todos macacos!” vai se tornar um novo ícone da indústria cultural e, aproveitando o mau momento da imagem brasileira para o exterior (com o sistemático assassinato de cidadãos afro-brasileiros), o Ministério do Turismo lançou a #CopaSemRacismo, através de milhões de compartilhamentos nas redes sociais.

O resultado pode ser mais do mesmo. Por um lado, torna-se pública a atitude de Daniel Alves, esta gera adesões sem fim, e serve de discurso de legitimação para a parcela da sociedade brasileira que vê a integração como fator positivo. Por outro, esta mesma parcela, cuja maioria é despolitizada, não se engaja na luta pelos direitos civis fundamentais da população afro-descendente territorializada. Falo de moradores de remanescentes de quilombos reconhecidos e os não reconhecidos, na versão contemporânea de favelas, cortiços, mocambos, vilas e periferias sem fim. Nesta mesma luta se inclui a agenda da política de cotas e a exigência de que a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) seja mais ativa e agressiva na defesa das pautas da maioria.

Na era da midiatização e com a ausência de um setor de movimento negro massivo e nas ruas, viria bem um ícone esportivo mais aguerrido. Algo parecido ao papel que cumpriu o pugilista Muhammad Ali (Cassius Clay), quando em 1966, se recusou a servir ao exército dos EUA e ir à guerra do Vietnã. Ali marcava um momento histórico, projetando o campeão do povo (como eram conhecidos os pesos pesados no boxe) para além da tagarelice e as provocações que tanto o marcaram.

É positiva a reação espontânea de atletas profissionais, em geral pouco ou nada afeitos a se posicionarem socialmente, mesmo quando a opressão os atinge. Neste sentido, superar o paradigma de Pelé fora do campo (Edson Arantes do Nascimento) é um pequeno avanço. Mas daí a festejar um engajamento imediato e midiático, onde pegam carona todos os omissos e hipócritas de sempre, seria um grande equívoco.

Este país precisa reencontrar-se com si mesmo, encarando a escravidão africana e o genocídio indígena como o Holocausto que se abateu sobre nosso povo. Definitivamente, não é com ironia e bom humor que se enfrentam senhores de engenho, capitães do mato e feitores.

Related Link: http://estrategiaeanalise.com.br/artigos/bananas-e-anti-racismo:-para-alem-da-ironia,3bf255ffbdfbd1b1fc5217b1f797be1b+01.html
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Front page

South Africa: Historic rupture or warring brothers again?

Declaración Anarquista Internacional: A 85 Años De La Revolución Española. Sus Enseñanzas Y Su Legado.

Death or Renewal: Is the Climate Crisis the Final Crisis?

Gleichheit und Freiheit stehen nicht zur Debatte!

Contre la guerre au Kurdistan irakien, contre la traîtrise du PDK

Meurtre de Clément Méric : l’enjeu politique du procès en appel

Comunicado sobre el Paro Nacional y las Jornadas de Protesta en Colombia

The Broken Promises of Vietnam

Premier Mai : Un coup porté contre l’un·e d’entre nous est un coup porté contre nous tou·tes

Federasyon’a Çağırıyoruz!

Piştgirîye Daxuyanîya Çapemenî ji bo Êrîşek Hatîye li ser Xanîyê Mezopotamya

Les attaques fascistes ne nous arrêteront pas !

Les victoires de l'avenir naîtront des luttes du passé. Vive la Commune de Paris !

Contra la opresión patriarcal y la explotación capitalista: ¡Ninguna está sola!

100 Years Since the Kronstadt Uprising: To Remember Means to Fight!

El Rei està nu. La deriva autoritària de l’estat espanyol

Agroecology and Organized Anarchism: An Interview With the Anarchist Federation of Rio de Janeiro (FARJ)

Es Ley por la Lucha de Las de Abajo

Covid19 Değil Akp19 Yasakları: 14 Maddede Akp19 Krizi

Declaración conjunta internacionalista por la libertad de las y los presos politicos de la revuelta social de la región chilena

[Perú] Crónica de una vacancia anunciada o disputa interburguesa en Perú

Nigeria and the Hope of the #EndSARS Protests

How Do We Stop a Coup?

Aλληλεγγύη στους 51 αντιφασίστες της Θεσσαλονίκης

© 2005-2021 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]