preferenze utente

cerca nell'archivio del sito Cerca cerca nell'archivio del sito


Search comments

ricerca avanzata

Nuovi eventi

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

nessun evento segnalato nell'ultima settimana

A Petrobrás sob o controle dos especuladores e a greve dos caminhoneiros

category brazil/guyana/suriname/fguiana | economia | opinião / análise author lunedì maggio 28, 2018 10:00author by BrunoL - 1 of Anarkismo Editorial Groupauthor email blimarocha at gmail dot com Segnalare questo messaggio alla redazione

A paralisação e greve dos caminhoneiros deixou a nação estática.

A paralisação e greve dos caminhoneiros deixou a nação estática. Iniciada na segunda dia 21 de maio, atravessou quatro dias até que na noite de 5ª, 24 de maio, o governo Temer teria “negociado” com “representantes” dos caminhoneiros. Vivemos o avesso do avesso. Quem assinou o “acordo” de 5ª à noite foi considerado pelo governo ilegítimo como sendo os “trabalhadores do transporte rodoviário”.
greve_dos_caminhoneiros_2018.jpg

27 de maio de 2018, Bruno Lima Rocha
A paralisação e greve dos caminhoneiros deixou a nação estática. Iniciada na segunda dia 21 de maio, atravessou quatro dias até que na noite de 5ª, 24 de maio, o governo Temer teria “negociado” com “representantes” dos caminhoneiros. Vivemos o avesso do avesso. Quem assinou o “acordo” de 5ª à noite foi considerado pelo governo ilegítimo como sendo os “trabalhadores do transporte rodoviário”. Logo na sexta dia 25 de maio, a paralisação continuava, até porque no meio da reunião de 24 de maio, o presidente da Associação Brasileira de Caminhoneiros (ABCAM) se retirou. Evidentemente que as reivindicações mais óbvias não estavam sendo atendidas. Sem a previsibilidade mínima, não há como seguir rodando “ganhando” bruto R$ 1,20 o quilômetro. Quanto à redução definitiva do valor dos derivados de petróleo, diesel, gasolina e querosene, nada feito porque além dos 10% a menos no preço da refinaria, a diretoria da Petrobrás não se compromete com mais nada. Trata-se de outro capítulo da crise, a dependência do modal rodoviário e a subordinação da Petrobrás às determinações dos especuladores paralisaram o Brasil.
Vale observar, novamente, o fenômeno. Os dados coletados foram vários, e nos dias durante a greve e paralisação, a trama do transporte foi verificada. A terceira semana de maio de 2018 viu-se diante de um fato. O país roda a diesel e os preços praticados pela Petrobrás levaram algumas categorias de transportadores ao desespero. Segundo o Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), rodam no país 2,7 milhões de caminhoneiros. Deste total, os chamados caminhoneiros autônomos são proprietários de cerca de 70% da frota e os demais, 30%, pertencem a empresas de logística e outros setores. De acordo com o Cadastro Geral de Emprego (CAGED) trabalham nas transportadoras 360 mil motoristas de carga, enquanto os autônomos são 1,8. Tal condição aproxima a maioria dos caminhoneiros de algumas reivindicações das empresas do setor, mas essa é uma aproximação. Os interesses não são os mesmos e menos ainda as representações.
Vale repetir. O governo ilegítimo tratou de “negociação” quem estava fazendo locaute e depois compôs com as emissoras de TV e conglomerados de mídia a “grande narrativa”. Houve locaute e segue havendo! A alegação é do núcleo duro de MT. E quem seriam os operadores máximos do locaute? Justo os autônomos, que trabalham por conta ou como locatários de donos de caminhões. O discurso de “minoria radical” não colou nada bem e a revolta se somou com a necessidade da luta. O apoio popular para a causa, não baixou, de jeito algum. Os dias seguintes foram intensos: sexta dia 25, sábado 26, domingo 27 de maio; e a pressão continuou. É necessário reafirmar. Em Brasília, as duas entidades presentes na reunião do dia 24 de maio, no Palácio do Planalto, onde teriam chegado a algum tipo de acordo, não representavam a maioria dos caminhoneiros autônomos. É como se o “representante não representasse”. O mesmo pode-se afirmar quanto à Petrobrás. Sua diretoria indicada após o golpe parlamentar que levou Michel Temer ao Poder Executivo não representa nem os interesses do país e, menos ainda, tem o respaldo dos trabalhadores do setor.
Não resta sombra de dúvida. A primeira reação de Pedro Parente já merecia a demissão sumária e imediata dele e de toda sua diretoria. Depois, em rede nacional, outra pérola do entreguismo a favor dos especuladores.
“Nosso objetivo é gerar valor para os acionistas no médio e no longo prazo”, afirmou o presidente da Petrobrás, Pedro Parente, ao vivo, no Jornal Nacional, de 24 de maio.
Parente opera contra os interesses do país. Correu o país o texto da Associação de Engenheiros da Petrobrás (AEPET) e é necessária a sua repetição: A partir de outubro de 2016, passou a praticar preços mais altos para os combustíveis, viabilizando a importação de derivado. Com isso, a Petrobras perdeu mercado e a capacidade ociosa das refinarias saltou para 25%. Com menos refino, explodiram as exportações de óleo cru e as importações de derivados. O maior beneficiado foram os Estados Unidos: enquanto as importações de diesel se multiplicaram por 1,8 desde 2015, a importação de diesel dos EUA dos EUA aumentou 3,6 vezes. Passou de 41% em 2015 para 80% do total de importados pelo Brasil, ao mesmo tempo em que a Petrobras abria mão da refinaria de Pasadena. Os grandes ganhadores foram os “traders” internacionais, dentre as quais o maior é a Trafigura, a gigante que montou o maior esquema de corrupção da história de Angola, estava envolvido até o pescoço com os escândalos da Petrobrás e foi surpreendentemente liberada pelos procuradores da Lava Jato e pelo juiz Sérgio Moro.
Cabe perguntar, porque a Federação Única dos Petroleiros (a FUP) e mesmo os setores dissidentes à esquerda desta entidade, não coordenaram esforços para lançar uma campanha em defesa da Petrobrás, da composição nacional de preços e não subordinada aos especuladores transnacionais (os chamados traders). Seria o momento perfeito para tentar uma greve de trabalhadores do setor de óleo e gás, visando à retomada do controle nacional sobre o setor mais importante do país.
A falta de alianças políticas no nível social é proporcional ao abandono do trabalho na base da sociedade complexa que se formou no período do boom econômico, fomentado tanto pelo auge das commodities como pela dominação do capitalismo pós-fordista no regime de extração de mais valia coletiva e acumulação flexível. A identificação imediata dos caminhoneiros autônomos é com motoristas de vans – como os transportadores escolares – motoboys, taxistas e até condutores de aplicativos. A sociedade brasileira tem uma complexidade nas relações econômico-produtivas e o sindicalismo verticalizado sozinho já não dá conta da organização do mundo do trabalho.
Mesmo com todas estas dificuldades somadas à confusão e o oportunismo ideológico da tentativa de captura pela extrema direita da justa luta dos caminhoneiros autônomos, o momento é de mais crise para o governo ilegítimo, aproximando o debate de necessidade de projeto de país e defesa incondicional dos interesses da maioria do povo brasileiro. A legitimidade dos grupos de mídia também se fragiliza nesta semana de paralisação de caminhoneiros, pois a partir de 6ª dia 25 de maio, começaram a fazer o infame esforço de criminalizar a luta e acusar de locaute justamente quem trabalha por conta.
É o momento ideal para popularizar o tema da defesa da Petrobrás pública e a serviço da soberania popular. Razões para esta luta não faltam, embora sejamos bombardeados, 24 horas por dia, com mentiras em relação ao Petróleo e o Pré-Sal.
Bruno Lima Rocha é vice-coordenador do Grupo de Pesquisa Capital e Estado, pós-doutorando em economia política, doutor e mestre em ciência política, professor de relações internacionais e jornalismo (https://estrategiaeanaliseblog.com/ blimarocha@gmail.com / canal no Telegram t.me/estrategiaeanalise)

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
© 2001-2018 Anarkismo.net. Salvo indicazioni diversi da parte dell'autore di un articolo, tutto il contenuto del sito può essere liberamente utilizzato per fini non commerciali sulla rete ed altrove. Le opinioni espresse negli articoli sono quelle dei contributori degli articoli e non sono necessariamente condivise da Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]