preferenze utente

cerca nell'archivio del sito Cerca cerca nell'archivio del sito


Search comments

ricerca avanzata

Nuovi eventi

Bolivia / Peru / Ecuador / Chile

nessun evento segnalato nell'ultima settimana

Declaração internacional pela liberdade dos/das presos/as políticos/as da revolta social da região chilena

category bolivia / peru / ecuador / chile | repressão / prisioneiros | comunicado de imprensa author sabato dicembre 12, 2020 00:19author by Vários organizações anarquistas Segnalare questo messaggio alla redazione

“A prisão não impede os atos antissociais; pelo contrário, aumenta seu número. Não reabilita os que vão parar nela. Podem reformá-la o quanto quiserem, será sempre uma privação de liberdade, um sistema falso, como um convento, que torna o prisioneiro cada vez menos apto à vida social. Não atinge o que propõe. Mancha a sociedade. Deve desaparecer.” (Piotr Kropotkin – “As Prisões”)

“Que os/as companheiros/as não se sintam sozinhos/as. As pessos com quem compartilharam alegrias e tristezas, fracassos e vitórias, estão mais do que nunca junto a eles e elas. Lutando com obstinado fervor. Sentindo cada dia mais amor e mais ódio. Esse amor e esse ódio com o qual, juntos/as, mudaremos as bases do mundo” (Juan C. Mechoso – Ação Direta Anarquista: Uma História da FAU”)

portugues.jpg

1. Passou-se mais de um ano desde que a luta transbordou as ruas de diferentes cidades do território dominado pelo Estado do Chile, e desde aquele outubro os povos mantiveram a luta sem descanso. Apesar da repressão, a pandemia e a fome, a vontade organizativa e de luta florescem. Estamos em tempos de luta e resistência em territórios de todo o mundo; desde os/as indígenas no Equador aos/às proletários/as da França, os povos se levantam contra o sistema de dominação.

É por isso que o internacionalismo, aquela velha prática das classes oprimidas, se faz urgente, a palavra e a ação solidária é um princípio constitutivo destas lutas e é o que as levam a projetar-se em um horizonte de emancipação.

2. Com as dificuldades de viver, as comunidades de luta, por meio de barricadas, panelaços e autodefesa, exercitaram a resistência no território dominado pelo Estado do Chile. Ele respondeu com dura repressão, são milhares de feridos/as, centenas os/as mutilados/as, dezenas de mortos/as e milhares de presos/as. Tudo isso levado a cabo por seus capangas, que defendem seus interesses de classe, precarizando e atacando nossas vidas, corpos e territórios.

Não só usaram balas e gás lacrimogêneo contra nossa classe, mas também severas leis repressivas, com o apoio da socialdemocracia, concretizadas na “Lei antibarricadas”, na “modernização” de aparatos repressivos como a Agência Nacional de Inteligência (ANI) e entregando nova infraestrutura às Forças Especiais para assim desenvolver seu terrorismo estatal.

Essa repressão, como é sabido, recai somente sobre nossa classe, já que quando os grupos armados da classe dominante são descobertos com armamento de guerra e equipamentos de combate, para o Estado são apenas “utensílios”, enquanto que quebrar uma vidraça de banco é terrorismo, e te mantém sequestrado por anos por essa ação. Hoje, para nossa classe, é risco de prisão sair com uma colher e um cartaz a gritar por direitos sociais. A prisão é uma questão de classe.

3. São quase 2.500 os/as companheiros/as que hoje estão submetidos/as a processos judiciais grosseiros, processos que se alongaram por mais de um ano, mantendo milhares de pessoas atrás das grades, sem nenhum tipo de condenação, utilizando a “prisão preventiva” como escárnio jurídico aos que lutaram junto a sua classe neste ano de revolta social (inclusive “menores de idade”). Por outro lado, os/as poucos/as condenados/as que existem enfrentam sentenças brutais, de 11 a 20 anos por elucubrações de uma promotoria com sede de vingança que pretende castigar os que desafiaram o sistema de dominação, que ousaram questionar a mercantilização e precarização de nossas vidas.

Como se não bastasse, os/as presos/as da revolta social são mantidos/as em isolamento, torturados/as em seu cotidiano, sem direito a visitas ou qualquer outro benefício penitenciário.

4. Fazemos um chamado à solidariedade ativa, a colocar a palavra e o corpo pela liberdade de nossos/as presos/as, a organizar jornadas de protesto por todos os territórios em luta para alcançar uma ANISTIA GERAL E SEM CONDIÇÕES. Quem se esquece dos/das presos/as se esquece da luta, portanto conseguir sua liberdade é um imperativo para as comunidades em luta. Chamamos a fortalecer as organizações populares a erguer a bandeira pela liberdade de nossos/as companheiros/as, a fazer parte de forma concreta nas diversas atividades e jornadas de manifestações que estão sendo levantadas.

5. Por último, a realidade da prisão política não nasce em 18 de outubro, mas é uma situação que se deu por décadas. Historicamente o Estado buscou castigar os que lutaram pelo fim da sociedade de classes, por isso também nos solidarizamos com os/as presos/as prolíticos/as mapuche e revolucionários/as, que resistem dia a dia para manter-se firmes nas prisões-empresas do Estado do Chile.

LIBERDADE AOS/ÀS PRESOS/AS POLÍTICOS/AS DA REVOLTA
NENHUM PRESO A MAIS POR LUTAR
ANISTIA GERAL E SEM CONDIÇÕES
REVOGAÇÃO DAS LEIS REPRESSIVAS
FIM À LEI ANTITERRORISTA


☆ Coordenação Anarquista Brasileira – CAB
☆ Federación Anarquista Uruguaya – FAU
☆ Federación Anarquista de Rosario – FAR (Argentina)
☆ Organización Anarquista de Córdoba – OAC (Argentina)
☆ Federación Anarquista Santiago – FAS (Chile)
☆ Grupo Libertario Vía Libre (Colômbia)
☆ Union Communiste Libertaire (França)
☆ Embat – Organització Libertària de Catalunya
☆ Alternativa Libertaria – AL/fdca (Itália)
☆ Die Plattform – Anarchakommunistische Organisation (Alemanha)
☆ Devrimci Anarşist Faaliyet – DAF (Turquia)
☆ Organisation Socialiste Libertaire – OSL (Suíça)
☆ Libertaere Aktion (Suíça)
☆ Melbourne Anarchist Communist Group – MACG (Austrália)
☆ Aotearoa Workers Solidarity Movement – AWSM (Aotearoa / Nova Zelândia)
☆ Zabalaza Anarchist Communist Front – ZACF (África do Sul)
☆ Federation of Anarchism Era (Afeganistão e Irã)
☆ Workers Solidarity Movement – WSM (Irlanda)
☆ Anarchist Communist Group – ACG (Grã-Bretanha)
☆ Αναρχική Ομοσπονδία – Anarchist Federation (Grécia)
☆ Tekoşina Anarşist – TA, (Rojava – nordeste da Síria)
☆ Organizacion Anarquista de Tucuman (Argentina)

Link esterno: http://cabanarquista.org/2020/12/10/internacional-liberdade-presos-chile/
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
© 2001-2021 Anarkismo.net. Salvo indicazioni diversi da parte dell'autore di un articolo, tutto il contenuto del sito può essere liberamente utilizzato per fini non commerciali sulla rete ed altrove. Le opinioni espresse negli articoli sono quelle dei contributori degli articoli e non sono necessariamente condivise da Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]