user preferences

brazil/guyana/suriname/fguiana / miscellaneous / non-anarchist press Friday December 28, 2018 23:11 byJoao Marcio and João Pedro Stédile

"Reformed" captain Jair Bolsonaro already committed to the “market” the handover of all decisions in the economic area to large capital, under the hegemony of financial capital and foreign corporations (as personified in Paulo Guedes and his Chicago Boys, including Levy in the Brazilian Development Bank-BNDES). As per the President’s statements, his will be a government directly headed by businessmen committed to the reduction of the “Brazil cost,” that is, to the increase of private profit. A government with such profile would not only give continuity but also radicalize Michel Temer’s agenda with the aim of implementing the following measures:

1. A brutal reduction in compensation costs for the workforce (that is, a reduction of the minimum wage and the end of various labour rights, combined with a deterioration of working conditions, through the generalization of intermittent work, subcontracting, and the dismantling of labour justice);

2. The private appropriation of all possible natural resources (oil, mined minerals, land, water, and biodiversity), eliminating any bureaucratic or legal obstacles, trampling over traditional populations and environmental concerns. See statements made on reviewing the Raposa Serra do Sol reserve, given that there are 90 (Ninety!!!) corporations presenting requests to exploit its mineral wealth. See Pre-Sal’s wealth, estimated by the FUP (an oil workers’ federation) to be a patrimony of a trillion dollars, already handed over in the bidding processes carried out until now, and which should continue further. In order to eliminate any environmental barrier, he appointed a truculent minister, with no experience, and completely aligned with agribusiness and large capital, who financed him;

3. The privatization of 149 State enterprises of which only part of Petrobras would remain. They foresee that they can gain 850 billion reals for the public coffers, which would contribute to massacring the public deficit, given that this represents only two years of interest that the government pays banks, and included in that servile process, is the approval of the handover of EMBRAER to Boeing, already in the final sales process, awaiting the government’s approval as contemplated in the reserve clause;

4. The privatization of Social Security where the problem is neither the deficit nor the privileges, especially those of judges and the military, which will not be modified. What banks want is the right to implement a private social security plan, dreaming of large pension funds, with a no-cost access to national savings, as is already taking place with the social security of the BB, Caixa, and Petrobras, which turned into large operators in the speculative investment markets;

5. The dismantling and privatizing public education through the chronic resources and investments in schools and universities; the mass implementation of long-distance training via private corporations; the substitution of public hiring process for technicians and professors by subcontracting; the drastic reduction of academic scholarships, research and support for remaining in the university; the imposition of university presidents by the Education Ministry to the detriment of democratic elections by the academic community; and ideological persecution against the freedom of teaching and research;

6. The scrapping and privatization of public health through defunding of the SUS, the weak regulation of private healthcare providers, the generalization of public-private partnerships as a management model, and the substitution of public contests by temporary subcontracting);

7. The privatization of the public financial system – Banco do Brasil, BNB and Caixa – and a subcontracting and privatization process of public services in general. Anything that can provide profit will be transferred to capitalist corporations to benefit;

8. The favoring of the arms industry (both national and foreign), through the liberation of permits and the budget priorities demanded by police and military forces, including agreements with Israel for the provision of equipment;

9. A public security model that is even more bellicose, less responsible to society and legally less accountable, with the liberation of arms sales, the lowering of the legal age to be tried as a criminal to 16, and a punitive process that is going to fill our prisons even more that they already are;

10. Brazil’s foreign alignment and subordination to the economic interests of the USA and also the political alignment with right-wing governments such as Italy, Israel, and Taiwan, creating a militarist agenda that counters its diplomatic tradition and places peace at risk.

Conclusion
Implementing an agenda like this (free market for those on top and “the law of the jungle” for those below) can only be done through intimidation, persecution, and violence. From a personal viewpoint, the President is an idiot: he is coarse, lacks culture, and was never taken seriously, not even in the armed forces. He is only reliable for the “market” (the bourgeoisie, as we said) because he will outsource all strategic decisions of his eventual government, maintaining control for himself only secondary issues to rage about and launch factoids at public opinion. That is the reading of the relevant economic actors paying the bill for his campaign. The problem (for them) is that Bolsonaro is unprepared to even understand all this, which presents a forecast of unpredictability and uncertainty for the “investors” (the capitalists).

Furthermore, the subject has no organized social and party base that is capable of providing mass sustainability (the so-called PSL is a conjunctural phenomenon, without programmatic consistency). On the other hand, Bolsonaro presents an authoritarian manner that constitutes his public figure that he cannot give up without negating himself. It is this grudge that generates an opposite reaction to what has been social plurality and international consensus until now.

In all, this buffoon is actually plausible only to the fanatics that follow him. The capitalists are using him now, but they have already put a price on him, and placed, as an expiration date, the execution of neoliberal reforms (the package of evils against the people and against the national patrimony, in a shock therapy style – for a year or two, at the most). After that, this character will be dispensable.

He will also use “spectacle” as a combat strategy, and he will be selective in dealing with corruption, Sérgio Moro being his minister, reinforcing “carwash” style prosecution – a selective and political use of the law, combined with the violation of constitutional rights, always calibrated according to the conjuncture. The Law of Borges will return: “Everything for our friends, the Law for our enemies!”

The uncertainty (for all) consists of the fact that, once Pandora’s Box is open, the demons will not easily return to it. As stated by Murphy’s Law, nothing is so bad that it cannot get worse.
brazil/guyana/suriname/fguiana / economia / opinião / análise Wednesday December 19, 2018 06:32 byBrunoL

Em termos de política energética, o país foi “virado de cabeça para baixo”, e sem nenhum razão funcional a não ser a fabricação de uma crise. As reservas de Pré-Sal capacitam a Petrobrás para contrair empréstimos com carência centenária, significando a saúde financeira e a liquidez da empresa. Ou seja, a empresa jamais esteve “quebrada” e menos ainda com perda de faturamento.

Bruno Lima Rocha, 18 de dezembro de 2018
A era do petróleo iniciou com o câmbio forçado pelo então ministro Winston Churchill – um civil à frente do almirantado – para a poderosa marinha britânica buscar fontes e modificar o padrão energético usado na força naval de sua majestade. Isso começou em 1911 e desde então o planeta assistiu a dezenas de “guerras por petróleo”, tendo o combustível fóssil como motivação direta ou indireta. Desde então, os países soberanos, ou têm acesso a reservas de combustível fóssil, ou deste ficam dependentes.
Tem momentos que é preciso debater mais do mesmo, oscilando entre o óbvio e a necessidade. Existe um temor - concreto ao menos - de que uma parcela dos ativos da empresa brasileira de petróleo, a Petrobrás, venha a ser privatizada. A possibilidade maior, caso ocorra, é a entrada de capital transnacional, provavelmente especializado, comprando uma capacidade já instalada. É uma ação típica do Brownfield - usando o termo anglicista - quando o capital estrangeiro compra o que já existe, geralmente incorporando cadeias nacionais ou através de programas de privatização.
Se o investimento será na forma de Brownfield, é porque não teve - e pelo visto não terá - o Greenfield. Ou seja, nenhum conglomerado econômico transnacional parece estar disposto a investir pesado, a criar uma nova infra-estrutura instalada, e através dos benefícios da lei brasileira, que permite a instalação de refinarias privadas, investir no refino. Curiosa a "lógica da eficiência". Detalhe: petróleo e derivados não se trata de simplesmente colocar dinheiro, ou obter crédito a fundo perdido do país que supostamente estaria recebendo os investimentos. É preciso conhecer da área, ter alta capacitação de engenharia de minas e naval, além de equipe preparada em escala de milhares. Portanto, se as petroleiras não entraram antes (não entraram sequer na distribuição) é porque não querem colocar dinheiro no Brasil, mas simplesmente comprar a preço deprimido o que já está pronto.
Em termos de política energética, o país foi “virado de cabeça para baixo”, e sem nenhum razão funcional a não ser a fabricação de uma crise. As reservas de Pré-Sal capacitam a Petrobrás para contrair empréstimos com carência centenária, significando a saúde financeira e a liquidez da empresa. Ou seja, a empresa jamais esteve “quebrada” e menos ainda com perda de faturamento.
A Petrobrás está com capacidade ociosa de refinarias, comprando diesel no mercado internacional e balizando preços co-determinados: uma determinação vem dos países produtores e exportadores de petróleo, como é o caso da Arábia Saudita após o golpe palaciano que consagra Mohammad bin Salman em junho de 2017. Outra determinação é ainda mais perversa e parte da ação dos traders internacionais, os conglomerados que operam a logística e estoques (ambos privados) e com isso pressionam o preço do barril de petróleo.
Cabe um raciocínio lógico. Cotizar o preço do barril e dos óleos refinados que são comercializados no Brasil, usando índices como o Barril Brent (de mercado futuros) é subordinar todo o país aos ataques especulativos e as pressões advindas do "acordo" de compliance com a Justiça dos EUA, onde a Petrobrás se comprometeu a pagar um acordo de US$ 853,2 milhões (estimado em R$ 3,6 bilhões pela estatal) para cessar as investigações que iniciaram com a Lava Jato. Porque simplesmente os corruptos não foram julgados apenas pela Justiça brasileira e se os Estados Unidos quisessem realmente punir, que pedissem extradição dos condenados?!
Trata-se de evidente violação de soberania. O Departamento de Justiça de outro país multa uma empresa brasileira e condiciona o acordo a balizar os preços de venda do barril segundo o interesse dos acionistas da Bolsa de Nova York. Urge compreender o básico da geopolítica do petróleo e da área sensível de segurança energética para inverter o consenso forjado que atinge a capacidade soberana do Brasil.
Na linguagem política brasileira isso se chama entreguismo e devemos defender o oposto. Uma condição ideal é a mudança nos estatutos da Petrobrás, de modo que ela se torne 100% pública, com diretoria eleita por seus trabalhadores, influência direta da sociedade civil alizando um preço justo e nacional na ponta das bombas.
Uma commodity estratégica refém da especulação
No final de novembro de 2018 o barril de petróleo cotado pelo índice Brent (de contratos futuros) estava em Usd 60,26. Em 2008 a mesma unidade “contábil” atingiu a 140 dólares o barril. Isso sem haver elevação dos custos de extração, refino e distribuição. Justo ao contrário; cada vez mais se extrai óleo de melhor qualidade – exemplificando com o Pré-Sal brasileiro – há capacidade logística sobrante (com o papel nefasto dos traders internacionais) e de refino ocioso em países produtores – como é o caso do Brasil. Ou seja, se o preço do barril for “regulado” pelos “preços internacionais” isso se trata de um perigoso eufemismo. O termo correto seria ter o preço do barril determinado pela pressão dos especuladores na ciranda do mercado futuro.
Se buscarmos qualquer lista das 25 ou 30 maiores empresas petrolíferas do planeta, veremos que as maiores são estatais, com exceção das herdeiras das chamadas Sete Irmãs (hoje apenas quatro: ExxonMobil, Chevron, Shell e BP), sendo que estas também foram constituídas - a parte europeia – ou por empresas controladas pelo Estado ou por um complexo energético militar, embrião da ideia de complexo industrial vinculado diretamente à Defesa de impérios capitalistas.
Parece uma obviedade entender que um país produtor de petróleo deve dominar todo o ciclo e operar com preços protegidos, ao menos no que diz respeito ao seu mercado interno e assim financiar a roda da economia nacional. Quando ficamos expostos aos “preços internacionais”, na verdade estamos subordinados a contratos especulativos, justamente o oposto da decisão soberana de controlar não apenas um ativo estratégico, mas toda uma cadeia de alto valor agregado que passa pela extração, refino, distribuição mas também transformação em petroquímica e química fina.
O Brasil e a categoria de trabalhadores e trabalhadoras do petróleo e derivados têm todos os requisitos de cumprir esta missão de interesse popular. O impeditivo maior é sempre a dupla associação da internalização de interesses externos (através de uma elite orgânica predatória e o recrutamento de políticos profissionais para tal) com a visão ideológica regressiva (já que toda projeção de valores é ideologia) de que não precisamos ter condições básicas de implementar política econômica em esfera alguma. Resta saber: a quem interessa liquidar a capacidade soberana de destino do povo brasileiro?
Bruno Lima Rocha é pós-doutorando em economia política e doutor em ciência política; professor dos de relações internacionais e de jornalismo.
(estrategiaeanaliseblog.com / blimarocha@gmail.com para e-mail e Facebook / t.me/estrategiaeanalise para canal no Telegram)

brazil/guyana/suriname/fguiana / community struggles / comunicado de prensa Wednesday December 19, 2018 03:35 byColectivo Anarquista Lucha de Classe

El último día 07 de diciembre de 2018 será recordado como uno de los días más tristes y revoltosos en la historia de la ciudad de Curitiba y de la lucha por vivienda en Brasil.

La ocupación urbana llamada 29 de marzo fue completamente destruida debido a un incendio, que según el relato de los habitantes, fue causado por la Policía Militar del estado de Paraná. Además del fuego extendido, ocurrieron al menos dos ejecuciones en el lugar, varios desaparecidos y un número aún desconocido de muertos.

Lucha por Vivienda en la Región- Ocupaciones Urbanas Recientes en la Ciudad Industrial de Curitiba (CIC)

La región que fue golpeada por el incendio es un lugar de mucha lucha por vivienda y vida digna en la ciudad. En un área de la Ciudad Industrial de Curitiba (CIC), barrio de la capital paranaense, se ubican cuatro ocupaciones recientes, donde, sumadas, albergan a más de mil familias.

Las ocupaciones de Nueva primavera (ocupada en 2012), el 29 de marzo (ocupada en 2015), Tiradentes (ocupada en 2015) y Doña Cida (ocupada en 2016) fueron organizadas por el Movimiento Popular por Vivienda (MPM) / Movimiento de los Trabajadores Sin Techo Paraná (MTST).

A lo largo de estos años se realizaron diversas manifestaciones callejeras, reuniones con el Poder Público, actividades y saraus. Desde entonces, el Ayuntamiento Municipal de Curitiba y la Compañía de Vivienda Popular de Curitiba (COHAB-CT) nunca dieron respuesta a la altura de las reivindicaciones del pueblo.

En este fatídico día 07 de diciembre, una de estas comunidades, el 29 de marzo, fue completamente devastada. Más de 300 familias perdieron sus casas, animales domésticos, muebles, alimentos, ropa y pertenencias.

De entre esas familias, extendemos gran solidaridad a las familias haitianas, que además de sufrir con la dificultad básica de comunicación por cuenta de su idioma de origen, han sufrido intensamente con el racismo y la xenofobia en Brasil. No es raro que esas personas, aunque cualificadas, sólo puedan insertarse en el mercado de trabajo en oficios desgastantes, recibiendo salarios de miseria, no teniendo vivienda digna y condiciones de vida adecuadas.

Terrorismo de Estado en la Comunidad 29 de Marzo

Los residentes cuentan que un policía militar había sido muerto por la región y que la policía desconfiaba que el responsable sería un residente de la comunidad. A partir de esa sospechosa, la Policía Militar de Paraná declaró guerra a todas las comunidades alrededor, en especial a 29 de marzo.

Durante el día y la noche del 7 de diciembre, policías militares, sin identificación y con los rostros cubiertos, mataron e invadieron las casas de la aldea buscando informaciones sobre el paradero del sospechoso. Los relatos de muchos residentes afirman que los policías torturaron, golpearon a hombres, mujeres y niños, utilizando bolsas, cuchillos y armas. Además, de las personas que murieron, hubo muchos disparos en contra de los residentes.

Fue alrededor de las diez de la noche que el fuego fue atado en algunas casas de la Comunidad el 29 de marzo. Luego el fuego se extendió y se apoderó de todo. El Cuerpo de Bomberos de Paraná tardó alrededor de una hora para llegar al lugar y la Policía Militar intentó dificultar su acción, de modo que los cientos de casas de la comunidad acabaron siendo totalmente destruidas.

Relatos en: “O Horror que a Polícia causou em Curitiba

Cientos de familias perdieron todo lo que tenían. Numerosos perros murieron carbonizados. Muchas personas desaparecidas. Posiblemente otras muertes serán confirmadas.

Caracterizamos el actual momento de la coyuntura, se trata de un “Estado Policial de Ajuste”, marcado por una agenda agresiva contra el pueblo, que muestra el lado más salvaje del sistema capitalista. Cayeron las máscaras y mediaciones que marcaron el período reciente de nuestra historia. Siempre hemos sabido, sin embargo, que detrás de las apariciones, gran parte de la población brasileña vive bajo un “Estado de Excepción”, conviviendo con la barbarie gestada dentro de la farsa llamada “Estado Democrático de Derecho”.

Para el pueblo pobre, negro, morador de las periferias, la cara del Estado siempre fue la de la brutalidad. Los derechos básicos (salud, educación, empleo, saneamiento básico, vivienda) son muy restringidos, cuando no están completamente ausentes. Por otro lado, la represión policial se hace muy presente en el cotidiano de los moradores, que desde muy temprano conviven con las formas institucionalizadas del racismo y de la criminalización de la pobreza, las cuales constituyen la base de la formación ideológica y de actuación de las policías brasileñas.

En el caso de los ataques sufridos por las familias de la Comunidad 29 de marzo y de las demás ocupaciones de la región, tales elementos son bastante nítidos. A los ojos de la Policía Militar, el pueblo que vive en las ocupaciones es un enemigo a ser exterminado.

Las demás caras del Estado, como el Poder Ejecutivo Municipal y Estadual y los órganos responsables de la investigación de este tipo de casos, demuestran ser cómplices de “juicios sumarios” como éste cuando se omiten. Así, trabajadoras y trabajadores, jóvenes, niños y ancianos, son condenados a muerte como “criminales”, sin ningún derecho de defensa.

Las Ruinas del Mito de la “Ciudad Modelo”

Fue en la década de los 70 que se inició un mito brasileño de que Curitiba sería una “ciudad modelo”, un ejemplo de urbanización, movilidad y calidad de vida.

Este mito fue construido con base no sólo en gran publicidad, sino también en la enorme exclusión de la población pobre, que fue siendo “jugada” a las regiones más distantes del centro y más carentes de servicios públicos.

Esta farsa de un supuesto “planeamiento democrático” no es una exclusividad de la ciudad de Curitiba, pero tiene en la capital paranaense uno de sus principales símbolos, repetido en discursos de gobernantes y burócratas.

En paralelo a la propagación de esa mentira, la ciudad guarda un historial de luchas y martirios de movimientos sociales y asociaciones de vecinos en la lucha por un terreno, por un hogar, por viviendas dignas. Estas luchas ocurrieron y ocurren en todas las regiones de la ciudad y tiene en las ocupaciones del CIC uno de sus mayores ejemplos.

Aprehensión, Solidaridad y Resistencia

Después del incendio del día 07 de diciembre, la Policía Militar, según la descripción y fotografías hechas por moradores, se mantuvo en el lugar y disparó con sus armas letales varias veces. Los residentes de la región tienen mucho miedo de más “intentos de venganza” y que el horror de aquella noche vuelva a ocurrir.

A pesar de todo, İ la lucha por la vivienda y la vida digna continúa! Numerosas comunidades, movimientos sociales y otras organizaciones recaudaron donaciones de ropa, agua, comida, muebles y llevaron a la comunidad. Moradores y moradores se turnan en la organización de las donaciones, en la acogida de las personas y en la reorganización de la vida en la comunidad, dando gran ejemplo de resistencia y solidaridad. Así las comunidades se unen cada vez más.

Sabemos que sólo el pueblo organizado es capaz de avanzar en la lucha por condiciones dignas de vida y para la construcción de una sociedad justa, fraterna e igualitaria. Un mundo donde todos tienen un hogar y donde las amenazas y violencias del Estado son cosas de un pasado lejano.

¡Ni olvidar, ni perdonar!
¡Toda solidaridad a las familias!
¡Contra la criminalización de la pobreza!
Luchar! ¡Crear Poder Popular!
¡Por el fin de toda policía!
¡Casa digna ya!

brazil/guyana/suriname/fguiana / community struggles / comunicado de imprensa Wednesday December 19, 2018 03:27 byColetivo Anarquista Luta de Classe

O dia 07 de dezembro de 2018 será lembrado como um dos dias mais tristes e revoltantes da história de Curitiba e da luta por moradia no Brasil.

A ocupação urbana 29 de Março foi completamente destruída devido a um incêndio, que segundo o relato dos moradores, foi causado pela Polícia Militar do Paraná. Além do fogo alastrado, ocorreram, pelo menos, duas execuções no local, vários desaparecidos e um número ainda desconhecido de mortos.

Luta por Moradia na Região – Ocupações urbanas recentes na Cidade Industrial de Curitiba (CIC)

A região que foi atingida pelo incêndio é um local de muita luta por moradia e vida digna na cidade. Em uma área da Cidade Industrial de Curitiba (CIC), bairro da capital paranaense, estão localizadas quatro ocupações recentes, onde, somadas, abrigam mais de mil famílias.

As ocupações Nova Primavera (ocupada em 2012), 29 de Março (ocupada em 2015), Tiradentes (ocupada em 2015) e Dona Cida (ocupada em 2016) foram organizadas pelo Movimento Popular por Moradia (MPM)/Movimento dos Trabalhadores Sem Teto do Paraná (MTST).

Ao longo desses anos foram feitas diversas manifestações de rua, reuniões com o Poder Público, atividades e saraus. Desde então, a Prefeitura Municipal de Curitiba e a Companhia de Habitação Popular de Curitiba (COHAB-CT) nunca deram resposta à altura das reivindicações do povo.

Neste fatídico dia 07 de dezembro, uma destas comunidades, a 29 de Março, foi completamente devastada. Mais de 300 famílias perderam suas casas, animais de estimação, móveis, alimentos, roupas e pertences.

Dentre essas famílias, estendemos grande solidariedade às famílias haitianas, que além de sofrerem com a dificuldade básica de comunicação por conta de seu idioma de origem, têm sofrido intensamente com o racismo e a xenofobia no Brasil. Não é incomum que essas pessoas, ainda que qualificadas, só consigam se inserir no mercado de trabalho em ofícios desgastantes, recebendo salários de miséria, não tendo moradia digna e condições de vida adequadas.

Terrorismo de Estado na Comunidade 29 de Março

Os moradores contam que um policial militar havia sido morto pela região e que a polícia desconfiava que o responsável seria um morador da comunidade. A partir de tal suspeita, a Polícia Militar do Paraná declarou guerra à todas as comunidades ao redor, em especial à 29 de Março.

Durante o dia e noite de 07 de dezembro, policiais militares, sem identificação e com os rostos cobertos, arrombaram e invadiram as casas da vila buscando informações sobre o paradeiro do suspeito. Relatos de muitos moradores afirmam que os policiais torturaram, agrediram e espancaram homens, mulheres e crianças, utilizando sacolas, facas e armas. Além disso, pessoas foram mortas e muitos tiros foram desferidos contra moradores.

Foi por volta das dez horas da noite que o fogo foi ateado em algumas casas da Comunidade 29 de Março. Logo o fogo se alastrou e tomou conta de tudo. O Corpo de Bombeiros do Paraná demorou por volta de uma hora para chegar ao local e a Polícia Militar tentou dificultar sua ação, de modo que as centenas de casas da comunidade acabaram por ser totalmente destruídas.

Relatos e detalhes em: “https://medium.com/@cwbresiste/o-horror-que-a-pol%C3%ADcia-causou-a-curitiba-34e6e256ff54”

Centenas de famílias perderam tudo o que tinham. Inúmeros cães morreram carbonizados. Muitas pessoas desaparecidas. Possivelmente outras mortes serão confirmadas.

O Estado Policial de Ajuste e a criminalização da pobreza

Caracterizamos o atual momento da conjuntura brasileira como sendo de um “Estado Policial de Ajuste“, marcado por uma agenda agressiva contra o povo, que escancara o lado mais selvagem do sistema capitalista. Caíram as máscaras e mediações que marcaram período recente de nossa história. Sempre soubemos, no entanto, que por trás das aparências, grande parte da população brasileira vive sob um “Estado de Exceção”, convivendo com a barbárie gestada dentro da farsa chamada “Estado Democrático de Direito”.

Para o povo pobre, negro, morador das periferias, a face do Estado sempre foi a da brutalidade. Os direitos básicos (saúde, educação, emprego, saneamento básico, moradia) são muito restritos, quando não estão completamente ausentes. Por outro lado, a repressão policial se faz muito presente no cotidiano dos moradores, que desde muito cedo convivem com as formas institucionalizadas do racismo e da criminalização da pobreza, as quais constituem a base da formação ideológica e de atuação das polícias brasileiras.

No caso dos ataques sofridos pelas famílias da Comunidade 29 de Março e das demais ocupações da região, tais elementos são bastante nítidos. Aos olhos da Polícia Militar, o povo que mora nas ocupações é um inimigo a ser exterminado.

As demais faces do Estado, como o Poder Executivo Municipal e Estadual e os órgãos responsáveis pela investigação deste tipo de caso, demonstram ser cúmplices de “julgamentos sumários” como este quando se omitem. Assim, trabalhadoras e trabalhadores, jovens, crianças e idosos, são condenados à morte como “criminosos”, sem qualquer direito de defesa.

As ruínas do mito da “cidade modelo”

Foi na década de 1970 que se iniciou um mito brasileiro de que Curitiba seria uma “cidade modelo”, um exemplo de urbanização, mobilidade e qualidade de vida.

Esse mito foi construído com base não apenas em grande publicidade, como também na enorme exclusão da população pobre, que foi sendo “jogada” para as regiões mais distantes do centro e mais carentes de serviços públicos.

Essa farsa de um suposto “planejamento democrático” não é uma exclusividade da cidade de Curitiba, mas tem na capital paranaense um de seus principais símbolos, repetido em discursos de governantes e burocratas.

Em paralelo à propagação dessa mentira, a cidade guarda um histórico de lutas e martírios de movimentos sociais e associações de moradores na luta por um terreno, por um lar, por moradias dignas. Essas lutas ocorreram e ocorrem em todas as regiões da cidade e tem nas ocupações do CIC um de seus maiores exemplos.

Apreensão, Solidariedade e Resistência

Após o incêndio do dia 07 de dezembro, a Polícia Militar, segundo a descrição e fotografias feitas por moradores, manteve-se no local e disparou com suas armas letais diversas vezes. Moradores da região estão com muito medo de mais “tentativas de vingança” e que o horror daquela noite volte a ocorrer.

Apesar de tudo, a luta por moradia e vida digna continua! Inúmeras comunidades, movimentos sociais e outras organizações arrecadaram doações de roupas, água, comida, móveis e levaram à comunidade. Moradoras e moradores se revezam na organização das doações, no acolhimento das pessoas e na reorganização da vida na comunidade, dando grande exemplo de resistência e solidariedade. Assim as comunidades se unem cada vez mais.

Sabemos que só o povo organizado é capaz de avançar na luta por condições dignas de vida e para a construção de uma sociedade justa, fraterna e igualitária. Um mundo onde todos tenham um lar e onde as ameaças e violências do Estado sejam coisas de um passado distante.

A luta continua!

Nem esquecer, nem perdoar!
Toda solidariedade às famílias!
Contra a criminalização da pobreza!
Lutar! Criar Poder Popular!
Pelo fim de toda polícia!
Moradia digna já!

brazil/guyana/suriname/fguiana / anti-fascismo / comunicado de imprensa Wednesday December 19, 2018 03:12 byFederação Anarquista Gaúcha

Foi em uma infame e inesquecivelmente tenebrosa sexta feira, 13 de dezembro de 1968, que durante o mandato do ditador-presidente general Arthur da Costa e Silva, uma junta militar promulgava o Ato Institucional nº. 5 (AI-5), o mais terrível dos dezessete que a ditadura civil-militar impôs ao povo brasileiro. O AI-5 deu início ao período mais brutal da ditadura, tornando “oficial” e “lícito” o extermínio de opositores do regime. Para além de medidas como o fechamento do Congresso Nacional, intervenções nos estados e municípios, suspensão de habeas corpus, suspensão de direitos políticos, entre outras, o AI-5 era a sigla que dava sentido à expressão “terrorismo de Estado” (com o perdão da redundância), fazendo da tortura, dos desaparecimentos forçados e dos assassinatos práticas corriqueiras do Estado ditatorial.

Passados cinquenta anos desse expediente de violência, brutalidade e barbárie, ventos autoritários anunciam novamente que não superamos esse passado. Temos à nossa porta expedientes autoritários que re-editam aquele momento histórico e, por isso, mais do que nunca, é preciso afirmar com todas as letras: ditadura, NUNCA MAIS!

A experiência de transição brasileira, marcada por pactos e conciliações forçadas negligenciou as memórias sociais de rebeldia, luta e resistência à ditadura. Tentou-se virar a página da história sem passar a limpo os arbítrios e opressões que marcaram à fogo nossa história recente.

Nos marcadores delimitados pelos militares, de uma “abertura lenta, gradual e segura”, a “transição democrática” arrastou consigo grandes volumes de entulho autoritário que seguiram (e ainda seguem) impregnando as instituições e o Estado. A “Lei da Anistia” garantiu a imputabilidade e a impunidade de agentes do estado que cometeram crimes contra a humanidade e gravíssimos atentados aos direitos humanos de mulheres e homens que com coragem ousaram se opor ao regime de terror.

Uma das sínteses desse “processo de transição inacabado” é a ausência de marcadores históricos e sociais que permitam experiências memorialísticas que reneguem com todas as forças à barbárie e a opressão. Desse processo resulta um Estado que premia às forças de segurança que assassinam o povo; um Estado que mantêm orgulhoso seus traços coloniais de selvageria e perseguição às “classes perigosas”; que permite e aplaude a continuidade do autoritarismo; que enaltece à tortura e que se nega a reconhecer os crimes que fizeram de toda a sociedade vítima da tirania.

O Estado que nega o DIREITO À MEMÓRIA, VERDADE E JUSTIÇA, mantém ativos todos os crimes e violações, fazendo de toda a sociedade vítima ao não nos permite lembrar e esclarecer nosso passado. Interdita nossos futuros e liberdades.

Se não querem lembrar, é nosso dever não deixar esquecer!

É preciso que falemos do legado autoritário. Esse legado consiste em tudo que persiste na sociedade após o fim de uma ditadura. Esse legado só pode ser combatido se adotamos um conjunto de políticas de memória. As políticas de memória são um resultado da pressão dos movimentos populares, de uma longa luta de familiares e de grupos de direitos humanos. Trata-se de uma batalha entre a sociedade e o estado, para dar sentido à eventos históricos, com o firme propósito de que esse fato não mais se repita.

Ao contrário da experiência de outros países da América Latina, o Brasil só foi capaz de criar um Comissão Nacional da Verdade quase 30 anos após o fim da ditadura. Quase 10 anos depois da eleição de um presidente dito de “esquerda”. Funcionou por 2 anos tendo um período de 42 anos para analisar (1946-1988). Construímos alguns memoriais. Houveram pouquíssimas e tardias medidas de reparação (financeiras ou pedidos de desculpas e reconhecimento de culpa). Não houve nenhum julgamento. Nenhum.

A ditadura no Brasil não foi menos brutal. Tem muitos setores ainda não contabilizados junto ao número de presos e desaparecidos, vítimas diretas ou indiretas. Muitas histórias por escrever e conhecer.

De 1968 para o presente. Hoje, no que alguns chamam de “normalidade democrática”, dois ex-militares chegam à presidência e vice-presidência da república, autorizados e respaldados pelo voto da democracia representativa burguesa. Uma síntese mal acabada do colonialismo e da atualização de discursos e práticas autoritárias da ditadura recheados por memórias saudosismos da barbárie. Em meio a manobras parlamentares que consolidam um verdadeiro “Estado Policial” que ataca e destrói garantias e direitos sociais, vai se desenhando no horizonte paisagens autoritárias já conhecidas.

O judiciário e as forças armadas são os esteios do ajuste e da repressão. Paulatinamente vão assumindo protagonismo na vida política do país e influenciando e garantindo ações que impactam diretamente na retirada de direitos e na supressão de liberdades.

No que se refere ao campo da memória social, tal conjuntura favorece que uma expressiva parcela da população negue ter havido ditadura ou sequer algum tipo de violação. Militares e ministros do Supremo Tribunal Federal lançam aos sete ventos revisionismos históricos sobre o período ditatorial sem nenhuma base factual. Renegam anos de pesquisas sérias sobre esse período e re-editam batalhas de memória.

Setores ultraliberais dão execução e continuidade à políticas econômicas semelhantes às levadas a cabo pela ditadura. Setores ultraconservadores avançam impiedosos numa cruzada contra educação e cultura. Familismo, valores tradicionais e religiosos são forçados como norma e baliza moral. A essência do AI-5 de criminalização da política e dos movimentos sociais está enraizada e se traduz na repressão aos movimentos sociais e perseguição de ativismos de todos os tipos. Ao fim e ao cabo trata-se de controlar e cercear corpos e mentes de modo a garantir e sustentar um sistema de saque, exclusão e opressão brutal sobre o povo.

Não é de hoje que a resistência habita os corpos e mentes de parcelas significativas do nosso povo. Não é de hoje que tentam sufocar e apagar a nossa rica história de luta e rebeldia. Não é de hoje que teimamos em não nos curvar. Não é de hoje que homens e mulheres entregam suas vidas em nome da Liberdade.

Não esquecemos!
Não perdoamos!
Não nos calamos!

Nossa forma de fazer memória e de honrar os que nos antecederam é fazendo Luta e sendo resistência!

Federação Anarquista Gaúcha – FAG

This page has not been translated into 한국어 yet.

This page can be viewed in
English Italiano Català Ελληνικά Deutsch



#Nobastan3Causales: seguimos luchando por aborto libre en Chile

#Nobastan3Causales: seguimos luchando por aborto libre en Chile

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

Thu 17 Jan, 21:01

browse text browse image

textThe Economic and Social Plan of the Bolsonaro Government Dec 28 23:11 by Joao Marcio and João Pedro Stédile 0 comments

plataformacampo_de_libra.jpg imageA Petrobrás pública é a salvaguarda da soberania do povo brasileiro Dec 19 06:32 by BrunoL 0 comments

capaespanol.png imageEl Terrorismo de Estado en Curitiba (Paraná, Brasil) Dec 19 03:35 by Colectivo Anarquista Lucha de Classe 0 comments

capafamiliasincendio.png imageTerrorismo de Estado em Curitiba, Brasil Dec 19 03:27 by Coletivo Anarquista Luta de Classe 0 comments

fag.png imageA Nossa Memória Não Esquece! Dec 19 03:12 by Federação Anarquista Gaúcha 0 comments

textThe Lesson of Brazil Nov 06 17:37 by Pierre Beaudet 0 comments

textLos errores de la izquierda brasileña que auparon a Bolsonaro Nov 06 17:27 by Bernardo Gutiérrez 0 comments

xsergiomoroepauloguedes.jpg imagePrimeira análise comentada após a vitória de Bolsonaro: que governo é esse?! Nov 03 21:42 by BrunoL 0 comments

fag.png imageNota das mulheres da FAG: gênero e conjuntura Oct 28 21:36 by Mulheres da FAG 0 comments

textBrazil: The Collapse of Democracy? Oct 28 04:06 by Alfredo Saad-Filho 0 comments

whatsappfakenews.jpeg imageELEIÇÃO FRAUDADA PELAS FAKE NEWS? Oct 27 06:32 by BrunoL 0 comments

cab_26_oct.jpeg imageO Estado policial de ajuste avança, deste vez, contra estudantes e trabalhadores universit... Oct 27 05:52 by Coordenação Anarquista Brasileira 0 comments

rl.jpeg imageContra os projetos anti-povo: Desde já e além das urnas Oct 25 00:08 by Resistência Popular e Ateneu Libertário Batalha da Várzea 0 comments

fau_carta_opinion_brasil_1.png imageBrazil: Fascism advances Oct 24 23:54 by Federación Anarquista Uruguaya 0 comments

textNote sur la situation actuelle de la lutte des classes au Brésil Oct 23 19:07 by Coordination Anarchiste Brésilienne 0 comments

cab_note.jpg imageNote sul corrente stato della lotta di classe in Brasile Oct 22 00:19 by Coordinamento Anarchico Brasiliano 0 comments

cab_statement_3.jpeg imageΗ παρούσα κατάστ^... Oct 20 20:25 by CAB 0 comments

fau_carta_opinion_brasil.png imageBrasil: Avanza el Fascismo Oct 19 22:32 by Federación Anarquista Uruguaya 0 comments

cab_statement_2.jpeg imageNote on the current state of class struggle in Brazil Oct 18 05:22 by Brazilian Anarchist Coordination 0 comments

cab_statement_1.jpeg imageNota sobre el actual escenario de la lucha de clases en Brasil Oct 16 08:11 by Coordinación Anarquista Brasileña 0 comments

cab_statement.jpeg imageNota sobre o atual cenário da luta de classes no Brasil Oct 16 05:41 by Coordenação Anarquista Brasileira 1 comments

bananistao_tio_sam.png imageA face horrenda da nova extrema direita: degenerados, blasfemadores e mentirosos contumaze... Oct 14 06:46 by BrunoL 0 comments

screen_shot_20180929_at_21.18.png imageMulheres Tomam a Frente da Resistência! Povo Forte Vence nas Ruas! Sep 30 04:21 by Federação Anarquista Gaúcha 0 comments

direitosdopovo.jpg imageTrês reflexões sobre o momento do antifascismo brasileiro Sep 23 10:15 by BrunoL 0 comments

golpe_entreguista.jpg imageBrasil em transe e o desmonte generalizado, duas constatações Sep 10 01:57 by BrunoL 0 comments

perigo_ultraliberal.jpg imageEstamos diante de uma ameaça ultraliberal? Aug 27 10:50 by BrunoL 0 comments

bolsonada_careta.jpg imageBolsonaro e as Forças Armadas: a desastrosa imagem associada Aug 12 10:22 by BrunoL 0 comments

alckmincentroe1532685483562.jpg imageO Centrão da direita Jul 29 23:59 by BrunoL 0 comments

ovo_quebrado_verde.jpg imageNotas de conjuntura pré-campanha eleitoral: uma visão à esquerda Jul 15 01:59 by BrunoL 0 comments

bolsonaro_trump.jpg imageUm risco real do protofascismo no Brasil Jun 14 06:31 by BrunoL 0 comments

more >>
© 2005-2019 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]