Benutzereinstellungen

Neue Veranstaltungshinweise

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

Es wurden keine neuen Veranstaltungshinweise in der letzten Woche veröffentlicht

Kommende Veranstaltungen

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Migração / racismo

Keine kommenden Veranstaltungen veröffentlicht
Recent articles by jornal causa do povo
This author has not submitted any other articles.
Recent Articles about Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana Migração / racismo

100 mil mortos e a normalização do genocídio Aug 09 20 by Coordenação Anarquista Brasileira

Lutar contra o racismo e por vida digna Jul 07 20 by Coordenação Anarquista Brasileira

Αλληλεγγύη σ ... Sep 06 19 by OASL / CAB

Ilusões do desenvolvimento “social”:

category brazil/guyana/suriname/fguiana | migração / racismo | other libertarian press author Freitag November 30, 2012 02:12author by jornal causa do povo - CAUSA DO POVO Report this post to the editors

o mito das políticas de igualdade étnico-racial

um dos principais argu¬mentos de legitimação do Governo do PT (Lula e Dil¬ma) era o aspecto progressista das políticas de atendimento aos traba¬lhadores e trabalhadoras negras e as comunidades indígena. Para um amplo setor a diferença do gover¬no Lula para o Governo do PSDB (e os “neoliberais”) seria o respeito às camadas étnicas do proletaria¬do brasileiro, fundamentalmente a população negra e indígena.

racismo no brasil
racismo no brasil

As Ilusões do desenvolvimento “social”:

o mito das políticas de igualdade étnico-racial

um dos principais argu¬mentos de legitimação do Governo do PT (Lula e Dil¬ma) era o aspecto progressista das políticas de atendimento aos traba¬lhadores e trabalhadoras negras e as comunidades indígena. Para um amplo setor a diferença do gover¬no Lula para o Governo do PSDB (e os “neoliberais”) seria o respeito às camadas étnicas do proletaria¬do brasileiro, fundamentalmente a população negra e indígena.

Entretanto, uma análise dos da¬dos do LAESER/UFRJ demonstram uma década depois uma estagna¬ção. O dia 20 de novembro é dia de luto e luta. As desigualdades eco¬nômicas e sociais sofreram poucas alterações. As mulheres negras são as que ocupam os piores pos¬tos de trabalhos e tem os salários menores em relação inclusive aos homens negros. Em janeiro de 2010 a mulheres negras (pretas e pardas) tinham um rendimen¬to médio de R$ 760,27 enquanto as mulheres brancas recebiam R$ 1.437,64 e os homens brancos R$ 2.027,00. Por sua vez, a taxa de desemprego entre as mulheres ne¬gras era de 10,5% enquanto entre as mulheres brancas correspon¬diam a 7,5%.
Outro dado que demonstra a situação de desigualdade no mer¬cado de trabalho é a porcentagem de mulheres negras no emprego doméstico, que chega a 64% das empregadas domésticas. Portanto, as questões étnico-raciais e de gê¬nero estão vinculadas aos próprios mecanismos de dominação e de exploração do capitalismo.

Mesmo a limitada proposta do Estatuto da Igualdade Racial, prin¬cipal política petista para a ques¬tão, foi aprovado sem seus princi¬pais pontos. O principal deles foi a exclusão do texto original da regu¬larização de terras para remanes¬centes de quilombos.
Além disso, a política de cotas nas universidades apontados como um grande avanço não sobrevive a uma análise crítica. Segundo o Movimento Negro Unificado Fra¬ção MNU de Lutas, Autônomo e ¬In¬dependente, em 2002 havia 2,2% de negros frequentando a uni-versidade, em 2011 esse número subiu para 11%. A nova política de cotas da universidade tão co¬memorada por governistas, e até paragovernistas, não avança para além deste número. Ainda segun¬do o movimento, “a cada 100 va¬gas, 88 serão destinadas aos alu¬nos de classe média branca, bem preparados por cursinhos e esco¬las particulares caras e públicas de boa qualidade. Somente 12 são destinadas à cotas para a escola pública. Dessas, 06 são exclusiva¬mente para estudantes oriundos da escola pública, e outras 6 para estudantes negros e indígenas, candidatos as vagas destinadas as cotas raciais. Sendo que 03 destas são para negros com renda até um salário mínimo, e outras três para rendas superiores a isto”.

Os dados sobre a violência são ainda mais alarmantes. A popula¬ção negra está sofrendo com um verdadeiro genocídio. Segundo o mapa da violência houve entre 2002 e 2008 uma queda no núme¬ro absoluto de homicídios na po¬pulação branca e de aumento na população negra. Segundo o mesmo estudo, em 2002, o índice nacional de viti¬mização negra foi de 45,6. Isto é, nesse ano, no país, morreram proporcionalmente 45,6% mais negros do que brancos. Em 2008 esse patamar subiu para 111,2% mais negros do que brancos.
O desenvolvimentoe a superex¬ploraçãode negros e indígenas noBrasil

A política de desenvolvimento capitalista em curso no país signi¬fica a superexploração dos traba¬lhadores e trabalhadoras negras e indígenas. Para manter o cres¬cimento econômico o governo se aliou ao agronegócio, como meio para manter estável a política ma-croeconômica inaugurada pelo go¬verno tucano. Assim, avançou no processo de desenvolvimento capitalista com o IIRSA integrando o PAC. Esse processo deixou a bur-guesia do mundo todo sorridente.

Por isso, a reforma agrária não avança um milímetro no país. O agronegócio é a pedra de sustentação do governo Dilma e as políticas de implantação de hidrelétricas, rodovias, ferrovias e complexos petroquímicos estão diretamente ligas a inserção do país na nova divisão internacional do traba¬lho. A questão agrária para o PT está resolvida: todo poder ao agronegócio.

As obras do PAC, o avanço do agronegócio e da mineração pelo país tem atacado territó-rios indígenas e quilombolas. Assim, temos a PEC 215/2000 que pode impedir a demarca-ção de territórios indígenas em nome da “segurança nacional” e a ADIN antiquilombola que pode gerar também a retração dos processos de demarcação das terras quilombolas.

Durante a Era Lula, foram homologadas apenas 88 terras indígenas, segundo o Con¬selho Indigenista Missionário (CIMI), com cerca de 14,3 milhões de hectares homologados desde 2003. Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2003), foram 147 áreas homologadas, cerca de mais de 36 milhões de hectares. No man¬dato de Fernando Collor de Mello (1990-1992) foram demarcadas 128 terras indígenas, cerca de 32 milhões de hectares. O avanço do agronegócio foi fechado com chave de ouro: o novo código florestal. A questão étnica e de gênero aparece muito fortemente imbrica¬das com a situação de superexplo-ração global, uma vez que são as mulheres e as populações negras e indígenas que trabalham nas piores condições. Mão de obra barata para o PAC.

Assim, seja no campo ou na cidade, as desigualdades de nature¬za étnica não foram confrontadas. Ao contrário, os interesses terri¬toriais de indígenas e quilombolas têm sido sacrificados em razão do desenvolvimento capitalista. As relações de dependência colocam na reestruturação produtiva o elemento étnico e racial como meca¬nismo de superexploração, que as¬segura a remessa de capitais aos países centrais e perpetua a opres¬são de gênero, étnico-racial e na¬cional, que estão entrelaçadas.

Novos ataques estão por vir através da reforma do Código da Mineração, em discussão no Con¬gresso Nacional. Dentro disso, as terras indígenas e quilombolas são empecilhos para exploração capi¬talista. Em especial, a descoberta dos chamados minerais de Terras Raras, fundamentais para as in¬dústrias de alta tecnologia.

Cabe-nos então denunciar as ilusões e criar uma resistência real e classista ao processo de avanço do capitalismo ultramonopolista e neoliberal. Construir uma verda¬deira aliança entre as diferentes frações de classe, sem conciliação com o Estado e o Capital.
Viva Zumbi: somente a ação direta destruirá o racismo no Brasil!

* TEXTO EXTRAIDO DO JORNAL CAUSA DO POVO 66

Verwandter Link: http://www.youtube.com/watch?v=QunD23s-38E
This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Hauptseite

Reflexiones sobre la situación de Afganistán

Αυτοοργάνωση ή Χάος

South Africa: Historic rupture or warring brothers again?

Declaración Anarquista Internacional: A 85 Años De La Revolución Española. Sus Enseñanzas Y Su Legado.

Death or Renewal: Is the Climate Crisis the Final Crisis?

Gleichheit und Freiheit stehen nicht zur Debatte!

Contre la guerre au Kurdistan irakien, contre la traîtrise du PDK

Meurtre de Clément Méric : l’enjeu politique du procès en appel

Comunicado sobre el Paro Nacional y las Jornadas de Protesta en Colombia

The Broken Promises of Vietnam

Premier Mai : Un coup porté contre l’un·e d’entre nous est un coup porté contre nous tou·tes

Federasyon’a Çağırıyoruz!

Piştgirîye Daxuyanîya Çapemenî ji bo Êrîşek Hatîye li ser Xanîyê Mezopotamya

Les attaques fascistes ne nous arrêteront pas !

Les victoires de l'avenir naîtront des luttes du passé. Vive la Commune de Paris !

Contra la opresión patriarcal y la explotación capitalista: ¡Ninguna está sola!

100 Years Since the Kronstadt Uprising: To Remember Means to Fight!

El Rei està nu. La deriva autoritària de l’estat espanyol

Agroecology and Organized Anarchism: An Interview With the Anarchist Federation of Rio de Janeiro (FARJ)

Es Ley por la Lucha de Las de Abajo

Covid19 Değil Akp19 Yasakları: 14 Maddede Akp19 Krizi

Declaración conjunta internacionalista por la libertad de las y los presos politicos de la revuelta social de la región chilena

[Perú] Crónica de una vacancia anunciada o disputa interburguesa en Perú

Nigeria and the Hope of the #EndSARS Protests

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana | Migração / racismo | pt

Do 23 Sep, 18:59

browse text browse image

cab100_mil1024x564.png image100 mil mortos e a normalização do genocídio 18:06 So 09 Aug by Coordenação Anarquista Brasileira 0 comments

Neste fim de semana foi atingida a marca oficial de 100 mil mortos pela covid-19, em menos de seis meses desde o primeiro caso notificado. Morre-se mais de covid do que de qualquer outra doença, do que de acidente de trânsito, do que de violência urbana. A doença chegou a lares de todo o país e levou entes queridos de milhões de pessoas. Longe de ser uma doença “democrática”, a covid-19 escancara o projeto genocida dos de cima e a desigualdade brasileira que atinge os de baixo. Ser negro ou indígena, por exemplo, é um grande fator de risco que pode fazer a diferença entre morrer ou viver. Além disso, o abismo social joga os mais pobres para lugares sem saneamento básico, moradias precárias e trabalhos informais e precarizados, que não permitem tomar as medidas necessárias para evitar a disseminação da doença.

imageContra o Genocídio do Povo Negro e a Barbárie dos Ricos! Apr 14 by Coordenação Anarquista Brasileira 0 comments

Oitenta tiros fulminaram Evaldo Rosa, trabalhador Negro, músico, que
voltava de um compromisso social com sua família. Os responsáveis:
militares do exército que patrulhavam o bairro e, segundo relatos, ainda
debocharam da família depois da ação.

imageBananas e anti-racismo: para além da ironia Mai 02 by BrunoL 0 comments

O lateral direito do Barcelona e da seleção brasileira, Daniel Alves, protagonizou um episódio onde a ironia e a reação espontânea deu margem para o debate anti-racista em escala mundial. No domingo 27 de abril de 2014, o mundo inteiro o viu comer uma banana atirada para este jogador baiano por um torcedor do clube espanhol (valenciano) Villareal, adversário do time catalão. Daniel comeu a banana e continuou jogando. Usou de ironia para combater a atitude preconceituosa, recebendo aplausos e adeptos em todo o país.

text13 de maio: A mentira da abolição Mai 08 by Vermelho e Negro - Bahia - Brasil 1 comments

A história nos engana/ Dizendo pelo contrário/ Até diz que a abolição aconteceu no mês de maio/ Comprovada sua mentira/ E que da miséria eu não saio/ Viva 20 de novembro/ Momento pra se lembrar/ Não vejo em 13 de maio nada pra comemorar...

imageRacismo no Brasil: Um câncer social Feb 17 by Vermelho e Negro 0 comments

A chegada dos invasores europeus, principalmente dos portugueses ao território hoje brasileiro, significou o início de um processo extremamente brutal e violento. Cruéis, covardes, traiçoeiros, estupradores e assassinos, deixaram para trás um legado de terror, sem precedentes na história da humanidade.

image100 mil mortos e a normalização do genocídio Aug 09 CAB 0 comments

Neste fim de semana foi atingida a marca oficial de 100 mil mortos pela covid-19, em menos de seis meses desde o primeiro caso notificado. Morre-se mais de covid do que de qualquer outra doença, do que de acidente de trânsito, do que de violência urbana. A doença chegou a lares de todo o país e levou entes queridos de milhões de pessoas. Longe de ser uma doença “democrática”, a covid-19 escancara o projeto genocida dos de cima e a desigualdade brasileira que atinge os de baixo. Ser negro ou indígena, por exemplo, é um grande fator de risco que pode fazer a diferença entre morrer ou viver. Além disso, o abismo social joga os mais pobres para lugares sem saneamento básico, moradias precárias e trabalhos informais e precarizados, que não permitem tomar as medidas necessárias para evitar a disseminação da doença.

© 2005-2021 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]