user preferences

New Events

Internacional

no event posted in the last week

América Latina: guinada à direita e contraposição estratégica

category internacional | a esquerda | opinião / análise author Thursday December 24, 2015 07:54author by BrunoL - 1 of Anarkismo Editorial Groupauthor email blimarocha at gmail dot com Report this post to the editors

21 de dezembro, Bruno Lima Rocha

Nos últimos seis meses, a América Latina vem sofrendo com uma nova guinada à direita, orientada para os desígnios do pós-Consenso de Washington e, ideologicamente, voltada para o eixo de domínio financeiro entre Nova York e Londres. O eterno contraponto em nosso continente se dá em dois contrapontos visíveis, sendo que neste texto faço o aporte de um terceiro, com identidade coletiva e as opções daí derivadas.

Eis o artigo.
A única possibilidade de avançarmos para uma segunda independência é conquistar mais espaços de participação política e a ampliação de experimentalismos institucionais.
A única possibilidade de avançarmos para uma segunda independência é conquistar mais espaços de participação política e a ampliação de experimentalismos institucionais.

Nos últimos seis meses, a América Latina vem sofrendo com uma nova guinada à direita, orientada para os desígnios do pós-Consenso de Washington e, ideologicamente, voltada para o eixo de domínio financeiro entre Nova York e Londres. O eterno contraponto em nosso continente se dá em dois contrapontos visíveis, sendo que neste texto faço o aporte de um terceiro, com identidade coletiva e as opções daí derivadas.

O primeiro contraponto que temos aqui deriva do fato de sermos total ou parcialmente dominados por uma herança colonial maldita através do criollismo das famílias europeias dos vice-reinados, cujo exemplo mais radical é o brasileiro, onde o que resta de elite quatrocentrona segue tendo pouca ou nenhuma identificação com nosso próprio povo, fazendo a permanente opção pelo eixo eurocêntrico e especificamente anglo-saxão do mundo contemporâneo. Nota-se tal modelo nas manifestações mais à direita, mesmo as de corte liberal (liberal-democrata), e na formação de frações de classe dominante que não hesitam em liquidar patrimônio, recusando-se em ser classe dominante de países emergentes ou com vocação para potência média (como é o caso brasileiro).

O segundo contraponto é mais reivindicável, embora tenha esgotado seu ciclo e, em termos de estratégia econômica e teoria do desenvolvimento, venha tendo voos de galinha e maximizando ainda a herança colonial. Refiro-me, obviamente, a chamada virada democrática iniciada com a eleição de Hugo Chávez para a Presidência da Venezuela (em dezembro de 1998) e cujo fim de ciclo percebe-se no país hoje governado por Nicolás Maduro, assim como na eleição de um menemista para a Casa Rosada na Argentina (Mauricio Macri) e a crise política brasileira que não termina. Brasil (através do pacto lulista), Argentina (com a linha Kirchner e a reconfiguração de um peronismo “nacionalista”), Paraguai (que sofrera golpe branco), Venezuela (chavista e pouco bolivariana), Honduras (também passando por um golpe branco), Chile (cuja adesão ao modelo foi sempre parcial), Nicarágua (com a eleição de Ortega e o alinhamento chinês e russo), El Salvador (com a FMLN transformada em tímido partido social-democrata), Uruguai (com a Frente Ampla flertando assinar Tratado de Livre Comércio com os EUA), Peru (com o falso alvaradismo de Ollanta Humala), além de Bolívia (com Evo) e Equador (com Correa) aplicando reformas constitucionais para a reedição permanente de mandatos, são a prova viva de que nossos países não completaram sequer uma institucionalização republicana inclusiva, que dirá poder exercer em grande medida uma política soberana de seus próprios recursos estratégicos, a começar por minérios e recursos hídricos.

Insisto neste segundo contraponto, pois aí se dá a ilusão do exercício do Poder Executivo e a necessidade de conformar uma elite dirigente com passado no campo nacional-popular e desejando servir a uma classe dominante com vocação latino-americanista. Tal setor de classe não existe e, seguindo a conta da geopolitik como reflexo internacional da real politik e das variáveis do realismo, terminamos por aderir de forma total ou parcial aos seguintes equívocos: políticas de curto prazo reforçando exploração hidromineral; alinhamento com o eixo dos BRICS (o que em termos globais é correto), mas sem uma projeção distinta além da promoção das Transnacionais (TNCs) brasileiras em novas fronteiras econômicas (como na África); falta de concertação estratégica para diminuir a dependência financeira e também político-jurídica junto ao capital parasitário a corroer a maior parte dos recursos de nossos países (vide o caso na nova inflexão de Guido Mantega à frente da pasta da Fazenda no primeiro governo Dilma e o orçamento limitado diante dos gastos com o espólio rentista).

Se somarmos estas escolhas do Poder Executivo comandado por militantes de ex-esquerda (ao menos assim o eram no período da Bi-polaridade ou na democratização), mais ao posicionamento da direita ideológica da América Latina, perceberemos que o desafio de um capitalismo periférico em nossos países é justamente a necessidade de planejamento estratégico e concertação entre elites dirigentes, tecnocracia e setores de classe dominante dispostos a confrontar suas matrizes político-ideológico-jurídicas do “ocidente” capitalista. É justo neste quesito que as teorias do desenvolvimento, em maior ou menor grau, se deparam com o dilema da dependência e sua limitação do posicionamento do andar de cima da pirâmide social e a presença de grupos de TNCs não latino-americanas aprofundando a interdependência e a perda de poder de tomada de decisão por parte dos governos de turno. Ou seja, saídas estruturais implicam em posicionamentos pós-coloniais e não em reedições de inserção periférica no capitalismo do século XXI.

Assim, a dimensão do terceiro contraponto é a ausência do que vamos afirmar aqui. A única possibilidade de avançarmos para uma segunda independência é conquistar mais espaços de participação política e a ampliação de experimentalismos institucionais para radicalizar nossas democracias, ultrapassando o formalismo e o arranjo entre poderes republicanos já estabelecidos. Assim, o que afirmei acima como segundo contraponto não coaduna com a capacidade de realização. Por exemplo, na Bolívia, a constituição pós-Evo prevê formas comunais de Justiça, mas toda esta realização depende necessariamente da permanência do MAS e do próprio Morales no centro do poder político. Obviamente, se a longevidade das instituições leva ao seu aprimoramento, o mesmo vale também para a institucionalidade que nasce do poder do povo, em especial se esta tem raízes na resistência latino-americana anticolonial. O exemplo dado acima pode ser universalizado dentro do desafio de proteger territórios e criar outras formas de vida, de modo a ter na base de nossas sociedades, poderosas organizações populares com poder de veto sobre o sistema jurídico e político, criando uma correlação de forças distinta da atual, onde a legitimidade anda distante da legalidade, a começar pelo modelo de democracia de representação e partidos de tipo burguês, com intermediários profissionais e carreiras políticas longevas.

Superadas as ilusões do capitalismo periférico e do pacto de classes como alternativa a nossas sociedades latino-americanas, é possível antever que durante o caos da nova restauração burguesa e neoliberal (a exemplo dos anos ’90), tenhamos o emergir de vigorosos movimentos populares de perfil latino-americano e anti-colonial.

Bruno Lima Rocha é professor de ciência política e de relações internacionais.

Site: www.estrategiaeanalise.com.br
Email: strategicanalysis@riseup.net
Facebook: blimarocha@gmail.com

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Front page

Declaración Anarquista Internacional: A 85 Años De La Revolución Española. Sus Enseñanzas Y Su Legado.

Death or Renewal: Is the Climate Crisis the Final Crisis?

Gleichheit und Freiheit stehen nicht zur Debatte!

Contre la guerre au Kurdistan irakien, contre la traîtrise du PDK

Meurtre de Clément Méric : l’enjeu politique du procès en appel

Comunicado sobre el Paro Nacional y las Jornadas de Protesta en Colombia

The Broken Promises of Vietnam

Premier Mai : Un coup porté contre l’un·e d’entre nous est un coup porté contre nous tou·tes

Federasyon’a Çağırıyoruz!

Piştgirîye Daxuyanîya Çapemenî ji bo Êrîşek Hatîye li ser Xanîyê Mezopotamya

Les attaques fascistes ne nous arrêteront pas !

Les victoires de l'avenir naîtront des luttes du passé. Vive la Commune de Paris !

Contra la opresión patriarcal y la explotación capitalista: ¡Ninguna está sola!

100 Years Since the Kronstadt Uprising: To Remember Means to Fight!

El Rei està nu. La deriva autoritària de l’estat espanyol

Agroecology and Organized Anarchism: An Interview With the Anarchist Federation of Rio de Janeiro (FARJ)

Es Ley por la Lucha de Las de Abajo

Covid19 Değil Akp19 Yasakları: 14 Maddede Akp19 Krizi

Declaración conjunta internacionalista por la libertad de las y los presos politicos de la revuelta social de la región chilena

[Perú] Crónica de una vacancia anunciada o disputa interburguesa en Perú

Nigeria and the Hope of the #EndSARS Protests

How Do We Stop a Coup?

Aλληλεγγύη στους 51 αντιφασίστες της Θεσσαλονίκης

No war on China

© 2005-2021 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]