user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

Repetir jargões ou pensar a conjuntura por um prisma anarquista

category brazil/guyana/suriname/fguiana | movimento anarquista | debate author Saturday September 10, 2016 13:40author by Rafael V. da Silva - FARJ Report this post to the editors

Historicamente temos formas de análise conjuntural anarquista a problemas complexos que envolvem as movimentações dos de cima. Mas se todos os governos são iguais, para que faz análise de conjuntura? Substitui-se assim, a análise de conjuntura por meia dúzia de jargões e se tem o problema, como falsamente resolvido. O resultado é pobre, do ponto de vista analítico e pior, convence muito mal

Historicamente temos formas de análise conjuntural anarquista a problemas complexos que envolvem as movimentações dos de cima. Mas se todos os governos são iguais, para que faz análise de conjuntura? Substitui-se assim, a análise de conjuntura por meia dúzia de jargões e se tem o problema, como falsamente resolvido. O resultado é pobre, do ponto de vista analítico e pior, convence muito mal. Se todo governo é igual, porque distinguir o governo de Mussolini do de Fernando Henrique Cardoso? Ao distingui-lo estaríamos como relativistas, amenizando a violência de um destes governos? Ou não seria o contrário? Ao perceber suas distinções e singularidades, podemos avaliar adequadamente o seu projeto de dominação?

Separemos o imbróglio. Começemos pelo começo. Para o projeto estratégico do anarquismo todos os governos estão fadados a reproduzirem um determinado sistema de dominação operado com a anuência da máquina estatal. Tais governos são instâncias inúteis ao nosso projeto enquanto um caminho que pode ser utilizada pelo povo para sua libertação. Isso temos claro e irá determinar uma série de coisas. Por isto, os anarquistas concentraram esforços fora de qualquer projeto eleitoral e não jogam energia em trabalhos que tenham como perspectiva a ocupação de cargos institucionais no andar de cima. A estratégia de massas do anarquismo, hegemônica em sua história, demonstrou que as energias dos libertários sempre voltaram-se aos movimentos populares e sindicais, do campo e da cidade. De nenhum modo, isso obrigou os anarquistas a abandonar a análise da realidade. Sempre o fizeram, ainda que em alguns momentos, possamos refletir sobre seus erros e acertos.

Saber onde queremos chegar e como queremos chegar de maneira alguma, permite-nos conhecer o terreno onde pisamos. Para isso serve a análise de conjuntura. Não basta dizer que o Estado é um dos pilares de um sistema de dominação. Isto, as/os anarquistas já sabem. É preciso saber como ele domina. Para a segunda questão há poucas respostas, algumas bem pobres.

A teoria tem o papel de analisar a realidade. Dizer aproximadamente o que ela aproximadamente é [1], não o que ela deveria ser. Quando caracterizamos um governo, dizemos, comporta-se deste modo na economia, é distinto deste ponto (ou reproduz a política anterior). Socialmente age deste modo e não de outro. A teoria portanto, envolve menos um julgamento de valor, mas um ordenamento e tratamento dos dados em quantidade de uma realidade para entender corretamente o que se passa num país (ou Estado, ou continente). Estamos conhecendo nosso inimigo à partir dos seus movimentos.

Ao dizermos que os governos são diferentes, não avaliamos de maneira alguma, enquanto anarquistas que esses podem ser úteis ao nosso projeto estratégico. Nunca foram e provavelmente não serão. Todos os times de futebol jogam futebol, mas a tática utilizada irá variar. Compreender cada estratégia de jogo é fazer análise de conjuntura. Dizer que todos nos atacam é reproduzir jargões e dizer o óbvio. Explicar o funcionamento de cada governo é entender determinados movimentos e mecanismos da política. Compreender um sistema de dominação é como desfazer um novelo cheio de nós e distinguir cada fio, ligando os pontos e entendendo a rede de relações. Tal procedimento pode ser feito coletivamente, mas isto exige um esforço em direção a leitura do Estado que não agrada os puristas. Aqui, o analista golpeia-se com o militante. O primeiro, interessado na análise diz: observe os movimento dos de cima. O segundo, encimesmado, grita, “que se vayan todos” [2], ignore-os! A lenta confusão, entre ideologia e teoria está formada. O panfletário cegou o cientista. Mal sabiam, que é possível conviver bem com os dois.

Reproduzir meia dúzia de jargões sobre os governos não é fazer análise de conjuntura, é trocar o exercício de pensar, pela preguiça ideológica, algo, diga-se de passagem, infelizmente comum dentro do que se convencionou chamar de movimento anarquista.

[1] Não se pretende obviamente dizer que a teoria irá efetivamente saber de maneira total o que é a realidade. Tampouco, nos afiliamos aos irracionalismos – muito em moda em certos círculos radicais – que acreditam ser inviável qualquer análise e compreensão mais ou menos fiel da realidade.

[2] Grito tradicional de protesto, surgido nas manifestações argentinas de 2001 em meio a uma grave crise e que traduzindo aproximadamente ao português significaria “Fora Todos”.

This page has not been translated into 中文 yet.

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch

Front page

Reflexiones sobre la situación de Afganistán

Αυτοοργάνωση ή Χάος

South Africa: Historic rupture or warring brothers again?

Declaración Anarquista Internacional: A 85 Años De La Revolución Española. Sus Enseñanzas Y Su Legado.

Death or Renewal: Is the Climate Crisis the Final Crisis?

Gleichheit und Freiheit stehen nicht zur Debatte!

Contre la guerre au Kurdistan irakien, contre la traîtrise du PDK

Meurtre de Clément Méric : l’enjeu politique du procès en appel

Comunicado sobre el Paro Nacional y las Jornadas de Protesta en Colombia

The Broken Promises of Vietnam

Premier Mai : Un coup porté contre l’un·e d’entre nous est un coup porté contre nous tou·tes

Federasyon’a Çağırıyoruz!

Piştgirîye Daxuyanîya Çapemenî ji bo Êrîşek Hatîye li ser Xanîyê Mezopotamya

Les attaques fascistes ne nous arrêteront pas !

Les victoires de l'avenir naîtront des luttes du passé. Vive la Commune de Paris !

Contra la opresión patriarcal y la explotación capitalista: ¡Ninguna está sola!

100 Years Since the Kronstadt Uprising: To Remember Means to Fight!

El Rei està nu. La deriva autoritària de l’estat espanyol

Agroecology and Organized Anarchism: An Interview With the Anarchist Federation of Rio de Janeiro (FARJ)

Es Ley por la Lucha de Las de Abajo

Covid19 Değil Akp19 Yasakları: 14 Maddede Akp19 Krizi

Declaración conjunta internacionalista por la libertad de las y los presos politicos de la revuelta social de la región chilena

[Perú] Crónica de una vacancia anunciada o disputa interburguesa en Perú

Nigeria and the Hope of the #EndSARS Protests

© 2005-2021 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]